quinta-feira, 15 de junho de 2017

Pai Nosso
(João Crispim Victorio)

Por meio dos Evangelhos,
um narrado por Mateus,
outro por Lucas,
Jesus nos ensina a falar com o Pai.
Nenhuma fórmula mágica,
mas um bonito exemplo.

O que Ele nos orienta
simplesmente não repetir suas palavras,
pois são apenas orientadoras.
Podemos nós, dessa forma,
criar nossa própria oração
e orar com palavras livres,
vindas do coração...

Até porque, segundo Jesus,
Deus sabe das nossas intenções,
mesmo antes de se proferir uma só palavra.
Não pense, então, que deve falar muito
ou gritar feito louco,
para ser ouvido...

Ao contrário,
quando orar, esteja sozinho.
Recolha-se a um ambiente discreto,
tome cuidado para não fazer alarde.
Em segredo o Pai vê tudo, de certo!
Por isso, o recompensará publicamente.
Assim sendo, comece...

Pai!
Que estais sempre junto a nós,
santo é o Seu nome,
venha a nós o Seu ideal de liberdade,
seja feita a Sua justiça na igualdade,
assim na Terra como em todo Universo.

O pão, nosso alimento diário,
daí-nos hoje, somente o necessário.
Perdoa as nossas dívidas,
assim como nós devemos perdoar aos nossos devedores,
não nos deixeis cair no comodismo, na solidão
e no diacho do consumismo.
Livrai-nos do egoísmo que só traz divisão.

Amém!

                                                              Rio de Janeiro, 15 de junho de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário